domingo, 14 de janeiro de 2018

Nossas múltiplas escleroses



Uma esclerose é o endurecimento de um sistema em virtude de uma doença ou inflamação. Perde-se o tônus, a elasticidade. Tudo se torna rígido, com muitas dificuldades, porque não conseguimos parar os exércitos que nos encurralam em nossas trincheiras.

Quando uma esclerose se instala, fica difícil reverte-la. O ideal seria estarmos atentos à chegada dos exércitos inimigos. Porém, eles se camuflam. Mas o pior inimigo não são os exércitos pretorianos e inflamados, e sim, a inércia. Ela é que nos mata, na realidade.

Temos muitos fatos que comprovam isso. Um relacionamento e um lar, normalmente não são destruídos pelos inimigos externos. Eles sucumbem frente à inércia presente na crença da não necessidade de dedicação para aqueles realmente importantes. Afinal, existem outras coisas mais urgentes...

Não são os concorrentes que fazem diariamente inúmeras empresas fecharem as portas. Isto constantemente ocorre porque elas não tratam bem clientes e empregados. E não tratar bem é algo bem amplo. Envolve atitude, valores, comunicação clara e um olhar para frente.

E quando as escleroses são autoimunes, o processo é ainda mais enigmático. Porque são nossas próprias defesas que nos atacam. Aquelas legiões que a princípio existem para nos defender, ficam desnorteadas e começam com chumbo grosso pra cima de nós... E então os sistemas ficam totalmente desorganizados e caóticos. Afinal, não esperávamos isso do nosso próprio exército!

Dizem que nossas escleroses são grandes mestres. Elas nos ensinam a aprender a parar um pouco, refletir sobre como conduzimos nossas vidas e nos dá vislumbres daquilo que existe além dos 10% que conhecemos do nosso Ser.

Esta visão é reconfortante, sim. Pode parecer apenas um alento, mas é possível que funcione. Aprender a reorganizar nossas defesas, arrumar a casa, fazer faxina nas coisas tóxicas que acumulamos.

Não é a toa que temos notícias diárias de pessoas com esclerose. Também não é toa a grande incidência de relacionamentos desfeitos e empresas em recuperação judicial. Mas as terapias existem, não importa o tamanho do exército rebelado a recuperar.

Resultado garantido não existe. Apenas é possível comprovar as oportunidades de aprendizado e a existência de uma força extraordinária que nos permite começar novamente a jornada.

domingo, 31 de dezembro de 2017

Em Busca da Sua Missão Superior: Turma 6



Todos temos uma Missão Superior. Ela é o verdadeiro propósito de nossas vidas. Não viemos aqui a passeio, simplesmente para viver a vida. Certamente existem lugares melhores no Universo para nosso lazer. rsrs

Viemos aqui para experienciar, aprender e ensinar. E o resultado de tudo isso é aquilo que podemos chamar de "Obra-Prima", nosso legado. Uma ação concreta que deixará nossa marca no mundo e ajudará a todas as outras pessoas e demais espécies que estão aqui, fazendo a mesma coisa que nós.

O programa "Em Busca da Sua Missão Superior" já está na sexta turma. Foi um grande aprendizado para todos nós e como ele é uma obra viva, a cada edição, transmuta, assume outras abordagens e permite outras experiências.

Na turma 6, trouxemos novos conceitos e introduzimos outros pensadores e educadores. A numerologia cabalística agora é parte central do programa. Os inscritos irão receber seu mapa numerológico completo e serão acompanhados para que possam absorver plenamente sua riqueza.

Com o mapa na mão, os aprendizes terão explícitos o seu destino, missão, ciclos de vida e seus momentos decisivos. Também será feita a análise das suas assinaturas, a fim de eliminar barreiras e facilitar seus caminhos.

Em paralelo, serão nove encontros, onde serão abordados conceitos que fundamentam a busca por sua Missão. A cada sessão as pessoas irão construindo seu projeto, que será apresentado na nona sessão, com uma grande celebração.

Viver nossa Missão Superior significa ser protagonista da nossa história, ouvir nosso chamado interior e agir para nossa própria melhoria, da comunidade em que vivemos e de todo ecossistema Terra, por meio do trabalho que nos traz realização e felicidade.


PROGRAMA EM BUSCA DA SUA MISSÃO SUPERIOR

Público alvo: pessoas nas mais diversas idades que busquem ressignificar suas vidas.

Este programa tem algum cunho religioso?
Não. O programa não irá promover nenhum tipo de doutrina religiosa, mas irá incentivar a espiritualidade, que significa a conexão com nosso Eu Superior. Os aprendizes serão apresentados a diversas Escolas, que no passado eram chamadas de Tradições Secretas. Atualmente, nada mais é secreto. Tudo está em nossas mãos. Você, provavelmente, ouvirá coisas que serão totalmente novas e o espírito aberto será necessário.

Este programa é algum tipo de terapia?
Não. Ele assemelha-se a um programa de coaching coletivo, que visa orientar as pessoas a encontrarem suas próprias respostas e caminhos. Contudo, esse direcionamento deverá trazer mais alegria e significado para os participantes, o que poderá ter efeito terapêutico. Provavelmente, o resultado final será superior a anos de terapia!

Este programa é algum tipo de aconselhamento de carreira?
Não. Ele é mais profundo do que isso, pois não ficará apenas na dimensão superficial da ação profissional das pessoas. O resultado poderá clarear as decisões tanto profissionais como pessoais de cada um.

Quando o programa ocorrerá?
Serão nove sessões que ocorrerão nos meses de Março, Abril e Maio de 2018, das 19h30 às 22h, na cidade de São Paulo. Os encontros serão as terças-feiras nos dias: 13, 20 e 27 de Março; 3, 10, 17, 24 de Abril e 8 e 15 de Maio.

Qual o local onde o programa será realizado?
Os encontros ocorrerão na Av. Paulista, 807, 9º andar. Existe estacionamento próximo conveniado, mas sugerimos o uso do metrô.

Como será a metodologia do programa?
Serão discussões em grupo, com atividades de autoconhecimento, vivências e tarefas para construção do projeto da Missão Superior.

O programa terá algum tipo de investimento?
O programa terá o investimento de 440 reais (nove sessões) + 180 reais (mapa numerológico cabalístico completo), podendo ser pago em até 3x no cartão. Caso o participante já tenha feito seu mapa numerológico cabalístico no passado, não será necessário refazê-lo.

Quem irá conduzir o programa?
O programa terá como facilitadores um grupo formado por profissionais com vasta experiência em life coaching, consultoria, educação e desenvolvimento humano.

Como eu faço para me inscrever?
Primeiramente, verifique se você terá disponibilidade para participar de todos os encontros e principalmente, reflita se o programa proposto atende à sua busca interior. Então, envie um e-mail para contato@institutonarumaya.com.br e passe seus dados, telefone e em breve você receberá um contato nosso.


PROGRAMA

PRIMEIRO ENCONTRO
Integração e Desenho do Contexto
* Integração da Turma.
* O tempo, nosso maior tesouro. O bom aproveitamento da régua implacável dos sessenta anos.
* A diferença que faz uma vida com significado.

SEGUNDO ENCONTRO
Sua missão superior presente nas Grandes Tradições Espirituais
* O Logos Universal.
* Os Sete Princípios Herméticos.
* A Doutrina Secreta de Blavatsky.
* A Teoria da Alma de Platão.
* Tao te Ching
* O Livro Tibetano do Viver e do Morrer
* Bhagavad Gîtâ

TERCEIRO ENCONTRO
Sua missão superior presente nos Grandes Mestres Contemporâneos
* A sincronicidade de Jung.
* A prática da vida integral de Ken Wilber.
* O pensamento complexo de Edgar Morin.
* O movimento holístico e transdisciplinar de Pierre Weil.
* A logoterapia de Viktor Frankl
* A teoria do propósito de Sri Prem Baba.

QUARTO ENCONTRO
Sua missão superior expressa na Numerologia Cabalística
* Os arcanos e a Cabala
* Os principais números: motivação, expressão, impressão, destino e missão.
* Os ciclos da vida, momentos decisivos e desafios.
* Análise da assinatura e as mudanças de arcanos.


QUINTO ENCONTRO
O Resgate da sua história de vida
* A jornada do herói.
* Seus setênios e ciclos.
* A régua implacável dos sessenta anos.
* O que você faz bem? O que você gosta de fazer? Do que o mundo precisa?
* O alinhamento do seu mapa numerológico com sua história de vida.

SEXTO ENCONTRO
A Dimensão Pessoal da Sua Missão Superior
* A Roda da Vida.
* Vida Saudável.
* Finanças Pessoais.
* Desenvolvimento Pessoal.
* Relacionamentos.
* Vida profissional.
* Prazer, prosa e poesia.
* Espiritualidade.
* Novas possibilidades.
* Alinhamento do seu mapa numerológico com a dimensão pessoal da sua Missão Superior.
* Primeira Obra-Prima: seu plano de ação pessoal.

SÉTIMO ENCONTRO
A Dimensão Social da Sua Missão Superior
* Seus grupos de relacionamento e interesse.
* Suas possibilidades de associação.
* O fim do sacrifício do trabalho.
* A terceira via do trabalho humano.
* O espaço para a criatividade e inovação.
Alinhamento do seu mapa numerológico com a dimensão social da sua Missão Superior.
* Segunda Obra-Prima: seu plano de ação social.

OITAVO ENCONTRO
A Dimensão Global da Sua Missão Superior
* Uma proposta transformadora para a educação.
* Seus novos caminhos educacionais.
* o fim do consumismo e da alienação midiática.
* As novas formas de organização social, econômica e ambiental.
* Você como agente construtor da Era Planetária.
Alinhamento do seu mapa numerológico com a dimensão global da sua Missão Superior.
* Terceira Obra-Prima: seu plano de ação global.

NONO ENCONTRO
* A apresentação ao grupo do seu projeto de Missão Superior
* Celebração!

Não perca mais tempo. Coloque movimento e significado na sua vida!










segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

Mapa Numerológico: O Universo em Números


O Universo é feito de números. Eles estão na estrutura das formas, nas Leis Universais e também demonstram os caminhos escritos em nossa atual existência.

É claro que para quem não acredita em uma Inteligência Universal, isso tudo é uma grande bobagem e não é para estas pessoas que este texto foi escrito.

A numerologia cabalística demonstra de forma detalhada os caminhos desenhados em nossas vidas. A partir da análise do nosso nome de batismo e da nossa data de nascimento é possível descobrir informações muito importantes da nossa vida, como os nossos fatores motivadores, a imagem que passamos para as outras pessoas, nossa forma natural de nos manifestarmos, o cenário que traçamos para esta vida, nossa missão, entre outros.

Também é possível descobrir os ciclos que estarão presentes em nossa jornada, seus desafios e momentos decisivos, além das pessoas que possuem harmonia conjugal conosco.

Esta metodologia é baseada no princípio das múltiplas existências e será possível descobrir quais lições e dívidas trazemos de vidas anteriores.

Finalmente, será analisada nossa assinatura atual e se fora necessário, será proposta uma nova assinatura que elimine barreiras e impedimentos que podem estar dificultando nossas vidas.

Caso você tenha interesse em encomendar seu Mapa Numerológico Cabalístico, envie uma mensagem para contato@liderancaeducadora.eco.br

Comece uma nova etapa em sua vida por meio do autoconhecimento trazido pela numerologia!

domingo, 17 de setembro de 2017

Não há torá sem farinha



Existe um velho ditado hebraico que diz: "Se não há farinha, não há Torá; se não há Torá, não há farinha".

Farinha representa o sustento, os bens materiais e o esforço para se obter o pão nosso de cada dia. Torá são as leis, o conhecimento, o caminho para o entendimento das coisas e a consciência superior.

A farinha pode ser entendida também como a práxis, as nossas ações, as atitudes concretas que deixamos pelo mundo. Torá é a sabedoria expressa por nossas palavras e pela imagem que construímos e defendemos.

Uma pessoa que possui mais sabedoria em seu discurso do que aquela expressa em suas ações, ou seja, mais torá do que farinha, é como uma árvore com galhos numerosos, mas com raízes frágeis onde qualquer vento poderá arrancá-la.

Já uma pessoa que possui ações superiores à sua sabedoria, pode ser comparada a uma árvore com poucos galhos, não tão vistosa, mas que possui inúmeras raízes fortificadas e nenhuma tempestade poderá tirá-la do solo.

Estamos vivendo tempos onde o conhecimento e a sabedoria, mesmo que aparentes, têm sido muito valorizados. Imagens são formadas, mitos são arquitetados, mas as atitudes acabam por não refletir este brilho exterior.

Esperteza e malandragem, travestidas de sabedoria, é como se fossem o deus Hermes, patrono do ilusório e das artimanhas, com as roupas do deus-sol, Apolo, tentando iluminar as multidões.

E do outro lado, milhões de pessoas que conhecem bem o esforço necessário para transformar a farinha em pão, por mais que não reverberem uma imagem reluzente e ilusória, são arvores que apesar de todas as tempestades que enfrentam, continuam firmemente sustentadas por suas ações.

Não há Torá sem farinha. Não há sabedoria sem ética. Não há sucesso sem honestidade e trabalho. Em momentos onde tudo parece ter perdido seus princípios, é possível encontrar conforto e discernimento numa singela metáfora como essa.




domingo, 10 de setembro de 2017

O miserável mundo dos 10%



A Cabala apresenta a realidade na forma da Árvore da Vida, onde existem dez dimensões ou esferas, denominadas sefirot, que devem ser vivenciadas para que sejamos seres plenos, cheios de alegria e realização.

Existe uma cortina que separa cada uma das dimensões, que deve ser vencida para o acesso às outras.

O mundo físico dos sentidos é apenas a primeira dimensão e é chamado de "escolha". Por não conseguirmos ver além da sua cortina, entendemos que a realidade está englobada apenas nela. Ao contrário, viver estacionado nesta esfera, significa ficar afastado da totalidade. Mas tudo não passa de uma escolha.

Ao encontrarmos um obstáculo, fica difícil superá-lo, enxergando apenas 10% da realidade. Ao surgir um problema profissional, podemos crer que somos fadados ao fracasso; o término de um relacionamento pode nos levar a conclusão que não somos feitos para o amor; e ao deixarmos passar nossas vidas de forma automática, podemos concluir que nossa existência não possui propósito.

Viver no mundo dos 10% é ter uma vida miserável. É difícil não se sentir pobre com apenas 10% da visão. O sentimento é que as coisas são rasas, sem significado. Por mais ricas e poderosas que as pessoas e organizações aparentem ser, se vivem apenas no mundo dos 10%, elas são verdadeiramente miseráveis.

Vencida a primeira cortina, chegamos a segunda dimensão e caminhamos mais um pouco rumo ao mundo dos 100%.  Esta é a dimensão do "propósito". Ter um propósito consciente significa fazer escolhas com fundamento. Dessa forma, a segunda dimensão traz sentido para a primeira. Pessoas e organizações ricas e poderosas que não possuem propósito, levam uma vida árida e vazia. Para vencer a segunda dimensão é preciso ter o verdadeiro desejo de compartilhar. Não existe propósito que não seja compartilhado.

A terceira dimensão representa o "refinamento". Um dos motivos de estar vivo é a busca de fazer as coisas cada vez melhor, com refinamento. Esta dimensão também nos ensina a importância da perda para continuarmos nossa caminhada. Somente é possível obtermos refinamento naquilo que fazemos se soubermos eliminar os excessos e as escolhas inúteis. Parece simples, mas não é. Quantas coisas e relacionamentos teimamos em manter, sem ter nenhum resultado concreto? Acumular em excesso também pode nos tornar miseráveis.

A quarta dimensão é a "permanência". Não é possível fazer escolhas com propósito e refinamento se não somos persistentes no nosso caminho. Quantas pessoas conhecemos que estão sempre mudando de objetivo sem conseguir resultados efetivos. Na árvore da vida, a esfera da permanência está ao lado da esfera do refinamento, mostrando que a busca por melhorar nossas escolhas e relacionamentos deve ser um processo contínuo.

No caminho ao mundo dos 100%, a quinta dimensão traz a importância do "equilíbrio" da nossa jornada e projetos pessoas e organizacionais. Este equilíbrio é atingido pelo constante processo de reflexão e avaliação das nossas escolhas, que são empoderadas pela existência de um propósito e pelo permanente refinamento. Um sistema de avaliação garante oxigênio às boas escolhas.

Para permitir perenidade das boas escolhas que fazemos, a sexta dimensão nos lembra a importância da "disciplina". Vencer esta cortina é um dos maiores desafios dos postulantes ao mundo dos 100%. Quantas boas escolhas, preenchidas de excelentes propósitos não são testadas a cada momento? Quantas organizações que resolveram priorizar o atendimento às necessidades das gerações futuras não são tentadas a focar apenas nos objetivos de curto a partir do primeiro obstáculo encontrado?

Quando as pessoas e organizações já estão neste estágio avançado do mundo dos 100%, a sétima dimensão traz o desenho profundo de "compartilhar"nossos resultados com o Todo. Competições rasteiras perdem o significado quando temos boas escolhas, com propósito edificante, refinamento, permanência, equilíbrio e disciplina. Compartilhar os resultados torna-se uma consequência óbvia e práticas "no compliance"passam a não mais existir.

 Podemos ter atingido todas as dimensões anteriores e vencido todas as cortinas do nosso caminho, mas a oitava dimensão mostra que se não tivermos "alegria" e "entusiasmo", nossa jornada não terá a leveza necessária da bem aventurança. Lembre-se que entusiasmo vem do grego e significa "in" + "theos", ou seja, inspirado por Deus. Veja se as pessoas mais iluminadas e que vivem sua missão superior plenamente não são aquelas que mais transbordam alegria e contentamento?

Poucas pessoas e organizações chegarão até a nona dimensão. É a esfera da "desidentificação", onde conseguimos enxergar a nós mesmos e as nossas organizações como seres externos. Representa o fim do Ego e nesta dimensão, a sensação de totalidade e liberdade é tão profunda e verdadeira, que vencer uma concorrência ou atingir um resultado individual não faz mais muito sentido.

Finalmente, a décima dimensão é o final da jornada, o caminho de volta pra casa. É vivermos plenamente o mundo dos 100%. Tudo emana da décima dimensão e o resultado é a "certeza" da plenitude. É o estágio onde as coisas acontecem naturalmente, parecendo milagre para aqueles que não a vivenciam. Não existe escassez e a necessidade de intermediários no mundo dos 100%.

A crise que o mundo está mergulhado parece ser o resultado da insistência em viver o mundo miserável dos 10%. Onde as escolhas são mesquinhas e de curto prazo. Aos poucos, a sociedade começa a perceber que as boas escolhas precisam começar com bons propósitos e o movimento rumo à prosperidade se inicia.

Este blog coloca a disposição das pessoas, o programa "Em busca da sua Missão Superior"como forma de contribuir para a superação da primeira cortina, que pode parecer pouco, mas que possui uma extrema capacidade de mudança.

Tudo começa pequeno, mas é sua pureza de espírito que define sua grandeza e longevidade.

Para mais informações sobre a Cabala, leia: O poder de realização da Cabala de Ian Mecler.

domingo, 3 de setembro de 2017

O curto caminho longo


"Certa vez uma criança arrebatou o melhor de mim. Eu viajava e me encontrava diante de uma encruzilhada. Vi então um menino e lhe perguntei qual seria o caminho para cidade. Ele respondeu: 'Este é o caminho curto e longo e este, o longo e curto.' Tomei o curto e longo e logo deparei com obstáculos intransponíveis de jardins e pomares. Ao retornar,  reclamei: 'Meu filho, você não me disse que este caminho era curto?' O menino então respondeu: 'Porém lhe disse também que era longo!'" - A Alma Imoral - Nilton Bonder.

Teimamos em sempre procurar o caminho curto, porque pensamos que trilhá-lo será mais simples, o que normalmente não acontece.

O caminho curto é nossa tentativa de ficarmos confortáveis e mudarmos ao mesmo tempo. Isso não costuma dar certo porque deixamos de lado a reforma dos alicerces mofados que supostamente seguram nosso esqueleto.

Empresas que tentam se reinventar e escolhem o caminho curto, acabarão por descobrir que os males que as afligem não serão extirpados. Campanhas milionárias de "endo" e "exo" marketing acabam apenas por mascarar aquilo que precisa ficar em evidência: os produtos que não são bons, as relações que não são fecundas e as escolhas que não são sábias.

Reinos que percorrem apenas caminhos curtos acabam por entregar pacotes conservadores de mudanças, por mais que a corte faça alarde de forma alvissareira.

Pessoas que decidem buscar seu propósito e escolhem o caminho curto, irão se deparar com atitudes rasas, como trocas que acabam não trocando nada, novos comportamentos que não deixarão espaço para o verdadeiramente novo, belo e prazeiroso.

Como diz Nilton Bonder, a coragem está em ouvir o menino das encruzilhadas. Ele é a nossa Alma.

Assumir nossa Alma é aceitar sua imoralidade, pois ela irá decepar as cabeças da Tradição e do Equilíbrio. Sem isso, nada de novo poderá florescer.

Nossa alma trairá nossas verdades porque será regida pelos princípios da alegria e inocência do menino, que entende ser óbvio escolher o caminho longo e curto, pois não encara com medo e desconfiança os primeiros barrancos que tentarão lhe derrubar. Para ele isso é divertido. E a Paz é algo que vem de longe.

domingo, 20 de agosto de 2017

Existe espaço para o Amor nas organizações?

Palavra desgastada é o Amor. Violentada pelo seu uso rasteiro e comercial. Rebaixada ao ser vista como apenas o esforço em manter o objeto desejado sob nossa tutela. Mas quando pensamos numa organização, formada por pessoas,  metas e advogados, há espaço para o Amor?

Talvez a resposta esteja no conceito de "autopoiese" firmado por Humberto Maturana e Francisco Varela nos anos 70 do século passado. Autopoiese vem do grego, "auto" = "próprio"e "poiesis"= "criação", ou seja, a capacidade dos organismos de produzirem a si próprios.

O conceito rechaça a visão mecanicista que explica os seres vivos como máquinas formadas por engrenagens, trabalhando de forma quase independente e que, com seu esforço individual, conseguem que o "todo" funcione, produza e se reproduza.

Para Maturana e Varela, a autoprodução é um processo fluidificado pelo Amor. Os sistemas vivos são sistemas complexos e interdependentes. O Amor é a energia emocional que norteia o resultados desses sistemas. O sobrevivência dos seres vivos depende dos fluxos harmônicos que os irrigam e transportam nutrientes, além de permitirem que a energia emocional tenha também vazão e funcione como o regente de uma notável orquestra.

Em uma organização de pessoas o processo se repete. Para que ela viva de forma saudável e produtiva precisa de espaço para que a energia emocional tenha seu fluxo desobstruído. Os departamentos que insistem em dividi-la são como placas de gordura que não permitem que a energia do Amor a fecunde.

Os japoneses descobriram isso há décadas, ao promover o trabalho baseado em grupos multifuncionais, pois perceberam que as decisões em grupo são mais sábias. O "board" não pode ser considerado o único mecanismo participativo de um organismo social. Decisões sábias exigem representatividade. Todas as partes interessadas precisam estar representadas, inclusive aquelas que representam outros sistemas associados.

A autopoiese organizacional apenas poderá ocorrer quando todas as partes puderem expressar sua energia emocional na construção de um ecossistema saudável. Energia emocional é a criatividade em ação ou o "in"+ "novus", inovação, o novo dentro de si.

Os jovens talentos não persistem nas organizações "esclerosadas", ou seja, endurecidas pela falta de irrigação afetiva, porque necessitam expressar sua energia emocional/criativa. Os clientes mudam de fornecedores porque não conseguem se identificar com aqueles que fazem a venda em sistemas monolíticos.

Permitir que o Amor flua nas organizações significa abri-las para o interrelacionamento e deixar fluir a energia emocional que permite a identificação e a descoberta de um Propósito Maior entre as partes interessadas.

Para aqueles que "Não" quiserem perder a oportunidade de ouvir Humberto Maturana no Brasil, ele estará em São Paulo no dia 17 de outubro de 2017 no Primeiro Encontro de Universidades. Acesse o site do INFI. www.infi.com.br.